Bem-Vindo à Página Oficial da
Liga dos Combatentes


 
 
 

 

 

 








 
 

 

 

 

  NÚCLEOS

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

 

BATALHA

DATA DA FUNDAÇÃO - O Núcleo da Batalha da Liga dos Combatentes é um dos já mais de 90, implantados em território nacional, tendo sido fundado, então com a designação de Delegação da Batalha da Liga dos Combatentes da Grande Guerra, em 09 de Abril de 1940.

RESENHA HISTÓRICA - O movimento que levou à criação, em 1923, da Liga dos Combatentes (da Grande Guerra), deveu-se à deplorável circunstância dos poderes institucionais de então, uma época de permanente turbulência e guerrilha políticas, terem ostracizado por completo a generalidade dos combatentes que, em 1918, conseguiram regressar vivos de França e África, deixando igualmente ao abandono as famílias dos cerca de dez mil que, no conflito, haviam tombado no campo de batalha, em nome da defesa da Pátria.

  • Os Combatentes fundadores da “Liga dos Combatentes da Grande Guerra” pretendiam, pois, de algum modo, tentar atenuar, junto dos seus camaradas mais desafortunados, os devastadores efeitos provocados por tal guerra, procurando remediar aquilo que era dever dos referidos poderes executar, mas que nunca levaram a cabo.
  • O movimento, qual grito de Ipiranga, correu Portugal quase de lés-a-lés e desde logo começou a ter eco, um pouco por toda a parte, ao ponto de, também a partir de 1923, e nos 20 anos subsequentes, terem sido criadas mais de 40 Delegações da Liga, em especial nas maiores urbes, igualmente providas de Unidades do Exército.
  • Paradoxalmente, a Vila da Batalha não reunia nenhuma daquelas condições: tratava-se dum concelho relativamente exíguo (cerca de 103Km2), então com apenas três freguesias (presentemente são quatro: Batalha, Golpilheira, Reguengo de Fetal e São Mamede) e menos de seis mil habitantes e onde também não existia qualquer unidade militar.
  • Devido à sua escassa população, não terão sido mais de 500 os munícipes mobilizados e enviados para os campos de batalha da Flandres e naturalmente que, felizmente, os que por lá perderam a vida (2) não ultrapassaram a percentagem média nacional.
  • Dispersos por um concelho primariamente rural, dificilmente estes sobreviventes da guerra, também pelo seu escasso número, teriam condições para avançar com a criação de uma Delegação de Combatentes no Concelho da Batalha.
  • Todavia, um acontecimento não despiciendo, que em 1921 ocorreu na Vila (mais concretamente no seu Mosteiro), com repercussões contínuas nos anos subsequentes, acabou por consciencializar os Combatentes da Urbe de que, com mais ou menos participantes, também seria importante que a Batalha tivesse uma Delegação da Liga dos Combatentes.